_________________________________________________________


Data: janeiro 26, 2021

Aborto matou 42 milhões de bebês em 2020 e a mídia se calou






Aborto matou 42 milhões de bebês em 2020, aponta serviço de rastreamento.


Os números da COVID-19 todos os dias são divulgados por se tratar de uma pandemia, certo? mas e os números de aborto alguém fala sobre?


A mídia hipócrita prefere usar os números da COVID-19 para fazer politicagem e tentar denegrir a imagem do presidente já que os governadores roubam o dinheiro e a culpa vai para o governo federal.


Os dados são do ‘Worldometer‘, organização que se dedica ao monitração de números sobre a saúde global.

Segundo o serviço de rastreamento, a quantidade de bebês assassinados superou o número de pessoas que faleceram por conta das principais causas de mortes no mundo.


“Segundo a OMS, todos os anos no mundo há cerca de 40 a 50 milhões de abortos. Isso corresponde a aproximadamente 125.000 abortos por dia”, informou o Worldometer.


O instituto faz estatísticas em tempo real e abrange diversos assuntos, com base em dados da OMS, da Organização das Nações Unidas (ONU), Fundo Monetário Internacional (FMI), entre outras.


No Brasil, o aborto é um crime que pode levar de um e três anos de prisão, salvo em três casos: gravidez de um feto com más-formações cerebrais; gravidez de risco para a mulher e, desde 1940, gravidez devido a estupro.





NÃO OS DEIXE NOS CENSURAR, INSCREVA-SE EM NOSSO CANAL NO YOUTUBE

Acadêmico de Ciências Contábeis, articulista político, entusiasta da comunicação e marketing digital. Deus acima de tudo! - - SIMPLESMENTE MINHA OPINIÃO | ESSE BLOG É DE OPINIÃO PÚBLICA

______________________________________________________
COMPARTILHAR ARTIGO NAS REDES SOCIAIS
______________________________________________________






"Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem"

BOLSONARO 38 (OFICIAL)
Grupo Público · 18.035 membros
Participar do grupo
Temos total liberdade de apoiarmos a direita encabeçada por Jair Bolsonaro e depois Sergio Moro. junte-se a nós.

MAIS LIDAS