-->
_________________________________________________________





Data: maio 18, 2020

Bolsonaro pode lançar a cartada final contra opositores ainda hoje




Foto: Internet

O governo federal enviou um ofício notificando estados e municípios de que devem retirar ações judiciais relacionadas à pandemia da Covid-19 contra a União para obterem ajuda.


A condição está prevista no projeto de lei aprovado pelo Congresso Nacional e enviado ao Planalto.


O projeto de socorro, que prevê o repasse de R$ 60 bilhões aos estados e municípios, ainda aguarda a sanção de Jair Bolsonaro.



“O objetivo deste ofício circular é destacar que será excluído do auxílio financeiro o Estado, Distrito Federal ou Município que tenha ajuizado ação judicial contra a União após 20 de março de 2020, tendo como causa de pedir, direta ou indiretamente, a pandemia do Covid-19”, apontou o documento. “Para evitar essa exclusão, é necessário que o ente federativo renuncie ao direito sobre qual se funda a ação judicial em até 10 (dez) dias, contados da data da publicação da lei complementar, que se encontra em fase de sanção presidencial”.

O jornalista Roberto Cabrini tirou a mascara de governadores opositores "Governadores estão roubando o povo na pandemia".


Bolsonaro tem mais essa carta para desmascarar seus opositores, a corrupção em plena pandemia praticada por seus opositores. 



Publicidade

NÃO OS DEIXE NOS CENSURAR, INSCREVA-SE EM NOSSO CANAL NO YOUTUBE

Acadêmico de Ciências Contábeis, articulista político, entusiasta da comunicação e marketing digital. Deus acima de tudo! - - SIMPLESMENTE MINHA OPINIÃO | ESSE BLOG É DE OPINIÃO PÚBLICA

______________________________________________________
COMPARTILHAR ARTIGO NAS REDES SOCIAIS
______________________________________________________






"Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem"

BOLSONARO 38 (OFICIAL)
Grupo Público · 18.035 membros
Participar do grupo
Temos total liberdade de apoiarmos a direita encabeçada por Jair Bolsonaro e depois Sergio Moro. junte-se a nós.

MAIS LIDAS