_________________________________________________________





Data: novembro 30, 2019

Marinho quer cabeça de Flávio para eleger Doria





As investigações em torno de Flávio Bolsonaro (sem partido, Rio de Janeiro) sobre supostas maracutaias quando era deputado estadual, já estão em pleno vapor. Suspensas em setembro por decisão monocrática de Dias Tofffoli, presidente do Supremo, a carta branca para que a devassa seja retomada foi dada pelo ministro Gilmar Mendes. 

As informações sigilosas sobre movimentas financeiras suspeitas estão a cargo do Ministério Público e da polícia fluminense, justamente a que Bolsonaro, pai, acusa de trabalhar a mando do governador Wilson Witzel.


 A devassa nas contas e sigilo fiscal de Flávio e do seu motorista Fabrício Queiroz tiveram início a partir de relatórios do antigo Coaf. O problema não reside apenas na prática de “rachadinha”, mas sim para quem foi esse dinheiro desviado dos salários dos servidores. Há cheiro de Marielle no ar.

Pretta Abreu




Publicidade

NÃO OS DEIXE NOS CENSURAR, INSCREVA-SE EM NOSSO CANAL NO YOUTUBE

Acadêmico de Ciências Contábeis, articulista político, entusiasta da comunicação e marketing digital. Deus acima de tudo!

______________________________________________________
COMPARTILHAR ARTIGO NAS REDES SOCIAIS
______________________________________________________



CONTEÚDO CORRESPONDENTE



"Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem"

Pátria amada Brasil até morrer!
Grupo Público · 50.197 membros
Participar do grupo
Temos total liberdade de apoiarmos a direita encabeçada por Jair Bolsonaro e depois Sergio Moro. junte-se a nós.