Públicidade

Marinho quer cabeça de Flávio para eleger Doria


As investigações em torno de Flávio Bolsonaro (sem partido, Rio de Janeiro) sobre supostas maracutaias quando era deputado estadual, já estão em pleno vapor. Suspensas em setembro por decisão monocrática de Dias Tofffoli, presidente do Supremo, a carta branca para que a devassa seja retomada foi dada pelo ministro Gilmar Mendes. 

As informações sigilosas sobre movimentas financeiras suspeitas estão a cargo do Ministério Público e da polícia fluminense, justamente a que Bolsonaro, pai, acusa de trabalhar a mando do governador Wilson Witzel.


 A devassa nas contas e sigilo fiscal de Flávio e do seu motorista Fabrício Queiroz tiveram início a partir de relatórios do antigo Coaf. O problema não reside apenas na prática de “rachadinha”, mas sim para quem foi esse dinheiro desviado dos salários dos servidores. Há cheiro de Marielle no ar.

Pretta Abreu

Postar um comentário

2 Comentários
Os cometários não representam opinião do site, a responsabilidade é unica do autor do comentário. Todos os comentários são revisados pela administração.
  1. nem começou e já esta acusando o flavio bolsonaro de estar envolvido noassassianto de mareille? um pouco leviano de sua parte, espere o desenrolar dos fatos e não do achismo.

    ResponderExcluir
  2. Meu comando termo amigo, "presidente" Bolsonaro, defenda seu filho que é parte de sua prole, mesmo errando ele terá direito a defesa pois sei que meu nobre presidente em nome de seu caráter e hombridade jamais ira compactuar com ações ilícitas, que deponham contra um filho seu, tamos juntos na derrota e na vitória, Brasil acima de tudo

    ResponderExcluir

Publiciade

Publiciade